Hipnose – Um pouco da sua história

Sociedade Egípcia

(Milhares de anos antes de Cristo)

Sabe-se pelos registros de época, que os egípcios tratavam enfermidades em locais chamados de “Tempos do Sono”, onde os pacientes eram submetidos ao transe hipnótico.

Um destes lugares era o Templo de Imhotep na cidade de Saqqara (Sakkara).

Demonstrando a primeira aplicação dada ao transe hipnótico, o tratamento da cura e da anestesia. Demonstrando também, talvez, a primeira forma (e até hoje utilizada em algumas culturas) de indução ao transe hipnótico que se tem conhecimento, os rituais.

 

Sociedade Grega

 

Na antiga Grécia, os enfermos eram postos a dormir em templos e despertavam curados. Dois templos famosos da época eram o de Aesculapius (Esculápio – Deus da Medicina) o de Sofrosine (Sos [tranquilo], phren [mente] e logia [ciência]), ciência da mente tranquila.

 

Índia, Caldéia, China, Roma, Pérsia

 

A hipnose era utilizada para conseguir fenômenos psíquicos (provavelmente hipermnésia e anestesia) que na época eram considerados místicos, esotéricos, paranormais ou sobrenaturais. Muitos documentos da antiguidade provam o uso da técnica por sacerdotes, médicos, xamãs entre outras pessoas importantes dentro de tais sociedades.

 

Idade Média

 

Pessoas foram condenadas (e mesmo mortas) por fazerem uso da hipnose. Restritiva, a Santa Inquisição identificava os dominadores da técnica como bruxos ou satanistas, e como tais eram perseguidos.

 

Hipnose moderna

 

Franz Anton Mesmer

Alemanha (1734 -1815)

Considerado Pai da Hipnose Moderna. O primeiro hipnotista.

Médico, linguista, advogado, músico e fundador da teoria do magnetismo animal chamada Mesmerismo.

Foi aluno de Padre Maximiliano Hell (Hungria 1720 a 1792), jesuíta e astrônomo que fazia experimentos usando imãs para curar.

Dava sugestões enquanto as pessoas tomavam banhos magnéticos.

Teve como aluno o francês Allan Kardec (1804 – 1869).

 

James Braid

Escócia (1775 -1860)

Médico-cirurgião escocês. Foi um dos pioneiros cientistas modernos a trabalhar clínica e investigativamente com o estado hipnótico e com a sua indução. De fato, é considerado o iniciador da hipnose científica. tornou-se figura de destaque na Hipnose nos países de língua inglesa.

Praticante de técnicas de indução por fixação do olhar.

Em 1843, em seu livro “NEURYPNOLOGY; OR THE RATIONALE OF NERVOUS SLEEP, CONSIDERED IN RELATION WITH ANIMAL MAGNETISM”, ele usa os termos “Hypnotism” (Hipnotismo) , “Hypnotist” (Hipnotista) e “hypnotizing” (hipnotizando) do Cuvillers” (ao todo centenas de vezes) pela primeira vez na língua Inglesa.

Tentou mudar o nome para monodeismo mas não conseguiu.

 

James Esdaile

Escócia (1808 -1859)

Na década de 1840, o médico escocês a serviço do exercito britânico realizou mais de 300 cirurgias na Índia usando o “sono mesmérico” ou “anestesia hipnótica” como única anestesia (que levava 3 dias para ser aplicada). Era especialista em amputações.

Dois anos depois de James Esdaile ser proibido de aplicar suas técnicas, o clorofórmio foi inventado. Cerca de 50% das cirurgias ocorriam em óbito por decorrência da anestesia química.

O problema do estado Esdaile é que as pessoas não querem emergir por ser um estado de tranquilidade. Mas Clarice Elman descobriu uma maneira muito eficaz de fazer os sujeitos emergirem.

 

Auguste Ambroise Liébeault

França (1823 -1904)

Fundador da Escola de Nancy – Escola da Sugestão.

Estudou sobre o efeito da Sugestão no individuo.

 

Hippolyte Bernheim

França (1840 -1919)

Descreveu o fracionamento. Dizendo ser necessário 5 sessões para se atingir o ponto ideal para tratamento.

Médico, descobriu que se desse uma sugestão sob hipnose para voltar às 10 horas em 13 dias, o paciente iria aparecer no momento exato sem mostrar lembranças de receber esta sugestão.

Estudou e escreveu muito sobre sugestões hipnóticas.

 

Jean Martin Charcot

França (1825 -1893)

Médico e cientista, foi professor de Freud e fundador da moderna Neurologia.

Durante as suas investigações, Charcot concluiu que a hipnose era um método que permitia tratar diversas perturbações psíquicas, em especial a histeria.

Utilizava estímulos fortes e súbitos para induzir ao transe. Toque de Charcot

Descreveu os estágios do Hipnotismo:

Letargia – sono leve

Catalepsia – paralisia dos músculos

Sonambulismo

 

Sigmund Freud (Sigismund Schlomo Freud)

Austríaco (1856 -1939)

Médico neurologista criador da psicanálise

Embora Freud tivesse usado a hipnose desde que abriu seu consultório em 1887, ele inicialmente usara a técnica simplesmente para remover sintomas por intermédio da sugestão. Quando encontrou resultados desapontadores, ele mudou para o método catártico (A catarse representa a cura de um paciente, que é alcançada através da expressão verbal de experiências traumáticas recalcadas.).

Não era bom em Hipnose.

Retardou os processos de estudo e desenvolvimento da Hipnose.

No final da vida chegou a escrever. “Neurose é a base de todos os problemas e a razão para estes problemas está profundamente escondida no subconsciente. E com técnicas ainda a serem desenvolvidas chegaremos a estas causas.”

 

Dave Elman (Dave Kopelman)

EUA (1900 -1967)

(Não era médico) Referência na Hipnose Clássica. O pai da hipnoterapia.

Conhecido hoje como um autor de um livro sobre hipnose, Hypnotherapy (1970) e a indução hipnótica que leva o seu nome.
Ganhando a fama do hipnotista mais novo e mais rápido do mundo.

Era radialista (HobbyLobby) e compositor de canções populares. Com 8 anos perdeu o pai que era hipnotista amador e lhe deixou uma pequena biblioteca. Criou sua indução com 12 anos de idade.

 

Milton Erickson

EUA (1901 -1980)

Psiquiatra especialista em terapia familiar sistêmica e uma das autoridades mundiais nas técnicas de hipnose aplicadas à psicoterapia

Nos anos 1960, a técnica ganharia fama e reconhecimento pelas mãos do psicólogo americano Milton Erickson. Marcado pela poliomielite, ele deu mais liberdade aos pacientes e criou a hipnose moderna (Hipnose Ericksoniana).

Fundador da American Society of Clinical Hypnosis.

 

Gerald Kein

EUA  (1939 – 2017)

Era vizinho de Dave Elman e começou a aprender com ele desde seus 13 anos de idade.

Fundou a OMNI Hypnosis Training Center em 1979, a maior referência mundial em Hipnoterapia, impedindo que a indução de Dave Elman caísse no esquecimento.

Se aposentou em 2012 dando lugar à Hansruedi.

Auto-Hipnose – Faça você mesmo

Pela auto-hipnose a pessoa é capaz de aplicar técnicas valiosas para melhorar sua condição geral física e mental

Técnica reconhecida

Como técnica de livre exercício e reconhecida no Brasil pelos conselhos federais de Medicina, Odontologia e Fisioterapia por seus resultados comprovados, a hipnose é praticada desde a antiguidade. Mais respeitada e estudada nas últimas décadas, a prática é  cada vez mais usada para tratar desde depressão, ansiedade, fobias, vícios e diversos males da era moderna. A possibilidade de trazer resultados é um fato tão incontestável que o OMNI Hypnosis Training Center, entidade com sede na Suíça, possui um protocolo certificado pela ISO 9001, garantindo a eficácia do tratamento de hipnose em qualquer pessoa.

Como usar

Como um estado natural da mente, a hipnose também é passível de ser auto aplicada.  Para que isso aconteça é necessário que a pessoa se concentre na camada subconsciente da mente.  “É diferente da concentração tradicional, que temos quando estamos em nosso estado consciente. A capacidade de desviar nossa atenção para a camada subconsciente nos leva a um estado de transe e nos faz abrir a mente para formar mais facilmente novas sinapses ou reprogramar sinapses existentes”, explica o Hipnoterapeuta Thiago Porto.

Ao chegar nesta atenção focada no subconsciente, o indivíduo consegue reprogramar, com mais facilidade, suas ações mentais e, por consequência, torna-se mais capaz de controlar suas emoções, pensamentos, hábitos, comportamentos e até reações fisiológicas como a dor.

A  raiva, tristeza e chateações do dia a dia deixam de ser fatores prejudiciais, escolhendo focar naqueles estados que condicionam o seu comportamento positivamente. Assumir o controle emocional é considerado na atualidade um fator de sucesso e de qualidade de vida. “Imagine ser capaz assumir o controle da própria vida e desenvolver hábitos saudáveis sem sofrimento e com prazer. É isso que a hipnose faz”, reflete Porto.

 

Grande Abraço
Thiago Porto

O que é hipnoterapia?

A hipnoterapia (ou hipnose clínica) consiste na aplicação de técnicas hipnóticas como ferramenta terapêutica. A terapia é utilizada como auxílio para o tratamento de transtornos emocionais, físicos, psicológicos, hábitos e sentimentos indesejáveis.

Muitos problemas vivenciados são causados por eventos do passado dos quais muitas vezes nem lembramos. O papel do hipnoterapeuta é identificar esses eventos causadores e ajudar o cliente a confrontá-los, para que o transtorno possa ser tratado com eficácia e o indivíduo possa ter sua qualidade de vida de volta.

Normalmente, os resultados alcançados com a hipnoterapia são mais efetivos e rápidos que com outros métodos convencionais. Isso ocorre porque a hipnose clínica alcança a mente subconsciente do indivíduo e trata o transtorno direto em sua origem.